sexta-feira, 26 de julho de 2013

A magia da biblioteca escolar: literatura e suas múltiplas possibilidades - Ivoti - RS











Oficina no Seminário de Educação em Ivoti, para professores e bibliotecários das escolas da cidade. Foi uma tarde de muito aprendizado, onde sugeri atividades de mediação de leitura. Contei algumas histórias, mostrei alguns materiais que confecciono para as contações e também apresentei um pouco do trabalho que desenvolvia na EMEF João Baptista Jaeger em NH. 
Como proposta de trabalho, cada grupo escolheu um livro dos sugeridos e montou um planejamento seguindo os seguintes passos:
1. Escolha da história: primordial gostar da história que irá contar.
2. Atividade inicial, motivação ou pré-leitura: a partir da história escolhida, criar algo para motivar a escuta da história, pode ser a apresentação do personagem através de um boneco ou fantoche, pode ser uma pergunta relacionada com a história (como a mostrada na história de Zuza e Arquimedes), um quebra-cabeça com a capa do livro, uma conversa sobre alguns elementos da história, etc.
3. Contação, leitura ou leitura-descoberta
4. Pós- Leitura: atividades complementares.
Na apresentação, os grupos foram muito criativos. Gostei muito do que vi.
Gostaria de agradecer a indicação da escritora Márcia Funke Dieter, ao contato diário com a professora Julicy e à professora Ane Rose que me acompanhou durante todo o seminário. Parabéns a todos que organizaram o evento. Adorei conhecer todos vocês! E também adorei a casa enxaimel que ganhei. Já está junto com meus livros em um lugar super especial da minha casa.

 Abaixo a lista de livros sugeridas na Oficina:


1.    Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias. Celso Sisto. Ed. Aletria.
2.    A arte de encantar : o contador de histórias contemporâneo e seus olhares. Fabiano Moraes e Lenice Gomes (org.). Ed. Cortez.
3.    Biblioteca??? Uma biblioteca pode fazer milagres! Lorenz Pauli. Ed. Brinque-Book
4.    É um livro. Lane Smith. Companhia das Letrinhas.
5.    As melhores brincadeirinhas musicais da Palavra Cantada. Sandra Peres e Paulo Tatit. Ed. Melhoramentos.
6.    A árvore generosa. Shel Silverstein. Ed. CosacNaify
7.    Casa de Consertos. Eloí Bocheco. Ed. Melhoramentos.
8.    Maroca e Deolindo e outros personagens em festa. André Neves. Ed. Paulinas.
9.    Histórias de cantigas. Celso Sisto (org.). Ed. Cortez.
10. ...Que eu vou pra Angola... e outras histórias. Ruth Rocha. Ed. Salamandra.
11. Contos de fadas sangrentos. Rosana Rios. Ed. Farol Literário
12.  As histórias mais loucas do mundo. Raquel Grabauska. Ed. Artes e Ofícios
13.  A sopa supimpa. Estevão Marques. Ed. Melhoramentos.
14.  Garranchos. Francisco Marques e Eliardo França. Ed. Paulinas.
15.  Clave de Lua. Leo Cunha e Eliardo França. Ed. Paulinas.
16.  O pato, a morte e a tulipa. Wolf Erlbruch. CosacNaify
17. O colecionador de pedras. Prisca Agustoni. Ed. Paulinas.
18.  Beleléu. Patrício Dugnani. Ed. Paulinas.
19.  Eva. Margarida Botelho. Ed. Paulinas.
20.  Flor das alturas. Celso Sisto. Ed. Zit.
21.  Obax. André Neves. Ed. Brinque- Book
22.  Os lugares de Maria. Margarida Botelho. Ed. Paulinas.
23.  Zuza e Arquimedes. Eva Furnari. Ed. Paulinas.
24.  Alice viaja nas histórias. Gianni Rodari. Ed. Biruta.                        
25.  O cabelo de Lelê. Valéria Belém. Companhia Editora Nacional.
26.  E o dente ainda doía. Ana Terra. Ed. DCL
27.  A felicidade é uma melancia na cabeça. Stella Dreis. Ed. Callis.
28.  Contos de bichos do mato. Ricardo Azevedo. Ed. Ática.
29.  O casamento da princesa. Celso Sisto. Ed. Prumo.
30.  O gato Rupertal. Celso Sisto. Rai Editora.
31.  Margarida. André Neves. Ed. Abacatte.
32.  Tia Libória contando história. Sylvia Orthof. Ed. Paulinas.
33.  Quando nasce um monstro. Sean Taylor. Ed. Salamandra.
34.  O homem que amava caixas. Stephen Michael King. Ed. Brinque-Book.
35.  Tem um monstro no meu jardim. Janaina Tokitaka. Ed. Escrita Fina.
36.  Só tenho olhos pra você. Graça Lima. Ed. Paulinas.
37.  A história mais longa do mundo. Rosane Pamplona. Ed. Brinque-Book.
38.  Um, dois, bolinho de arroz. Mario Pirata. Ed. Paulinas.
39.  Contos africanos para crianças brasileiras. Rogério Andrade Barbosa. Ed. Paulinas.
40.  Amores de artistas. Sonia Rosa. Ed. Paulinas.
41. Uma história sem pé nem cabeça. Luciano Pontes. Ed. Paulinas.
42.  A família sujo. Gustavo Finkler. Ed. Projeto.
43.  Quem quer brincar comigo? Tino Freitas. Ed. Abacatte.
44.  O botão branco. Martina Schreiner. Ed. Cuore.
45.  O rei roncador. Martina Schreiner. Ed. 8 Inverso.
46.  Diáfana. Celso Sisto. Ed. Scipione.
47.  Hora da bóia. Graça Lima. Ed. Paulinas.
48.  A primeira palavra de Mara. Ángel Domingo. Ed. Jujuba.
49.  Era um vez... Cacau Vilardo. Ed. Paulinas.
50.  Abrindo caminho. Ana Maria Machado. Ed. Ática.
51.  A menina que bordava bilhetes. Lenice Gomes. Ed. Cortez.
52.  O armário do João-de-Barro. Christina Dias. Ed. DCL.
53.  Viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu! Lenice Gomes. Ed. Cortez.
54.  Tom. André Neves. Ed. Projeto.
55.  Tininha Cereja. Celso Sisto. Ed. Paulinas.
56.  Raio de sol, raio de lua. Celso Sisto; Ed. Prumo.
57.  Em briga de irmão quem dá opinião? Luciano Pontes. Ed. FTD.
58.  Ynari, a menina das cinco tranças. Ondjaki. Ed. Companhia das Letrinhas.
59.  O gato e o escuro. Mia Couto. Ed. Companhia das Letrinhas.
60.  Lino. André Neves. Ed. Callis.

Confiram o link do evento: http://www.ivoti.rs.gov.br/semec/index.php?idTela=4&idNoticia=1196

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Parabéns aos escritores!

Imagem: Daniela Zakina



Perdem-se as ideias
Sorte de quem as acha
Os escritores, com certeza!
Eles coletam elas por aí.
Criam as histórias.
Espalham novamente.
E lá vai o leitor
Ler, contar
Para as ideias voltarem a voar!!


sexta-feira, 19 de julho de 2013

Os contos de fadas e as fábulas: de ontem e de hoje - Oficina com Me. Katiane Crescente Lourenço - Paulinas/POA

Ótimo encontro com a professora e contadora de histórias (maravilhosa) Katiane, hoje a tarde na Paulinas. Ouvir histórias e principalmente, fábulas e contos de fadas, mesmo que conhecidos, sempre é muito bom. A Mestre em Letras e estudante de Biblioteconomia, passou alguns referenciais teóricos das fábulas e dos contos de fadas. Foi uma explosão de tanta informação, pois o assunto é realmente muito amplo. Partindo da literatura oral, tanto a fábula como os contos de fadas possuem várias versões e são usados através dos séculos de várias maneiras diferentes. Antigamente, tinham a função de ensinar e até moralizar. Hoje em dia, com as várias versões, originais e modernas, os contos aparecem para encantar e também aprender.
Katiane frisou várias vezes em sua fala que mesmo trabalhando os contos e fábulas modernos, é importante e primordial que as crianças e jovens conheçam as versões originais. Claro, assim poderá comparar, entender, discutir, rever informações.
Confiro o vídeo de Katiane, contando a fábula "O velho, o menino e o burro":

Alguns livros sugeridos por Katiane:


quarta-feira, 17 de julho de 2013

A menina que veio das estrelas

Nasceu em uma noite de chuva intensa a menina Joana.
Seu pai, Neco Pescador, era homem simples. Vivia com a esposa Maria, em um rancho na beira do mar.
Maria, quando Joana nasceu, estava sozinha. Neco tinha saído com a canoa para pescar na enseada.
Mesmo longe da praia, o pescador notou um brilho intenso no rancho em certa hora da noite. Estava chovendo muito, mas o pescado era farto. Ao mesmo tempo em que viu um raio explodir no céu, escutou um grito.
No rancho da vila de pescadores, nascia Joana, que chorava alto.
Desde então tudo mudou no lugar. No mesmo instante em que ela nascia, os peixes que já estavam na canoa de Neco, começaram a voltar para a água. Não teve jeito do pescador evitar. Eram muito rápidos os danados.
Ao chegar no rancho, com as cestas vazias e encharcado com a chuva que caia, foi logo entrando.
Joana chorava mansinho. Maria nem olhou para ele.
Neco achou aquilo tudo muito estranho. Pegou a menina no colo e a embalou. Naquela noite, todos dormiram.
No dia seguinte, ao acordar, Neco espantou-se ao ver uma bela menina arrumando alguns bibelôs de Maria.
- Quem é você? - perguntou espantado.
- Sou sua filha.
- Não pode ser, você nasceu ontem, como já está desse tamanho? 
Maria foi logo interrompendo:
- A cada noite dormida ela cresce mais e mais. Coisas que só as estrelas explicam.
Neco ficou intrigado. Pensativo:
- O que meus amigos irão dizer? Vai todo mundo achar tudo muito estranho.
A menina tinha sentidos aguçados. Ouvia os pássaros a quilômetros de distância. Sentia o aroma das árvores e das plantas afastadas. Tudo que plantava, vingava. 
As pessoas da vila de pescadores começaram a procurá-la até para pequenas curas. Com um toque, que emanava uma luz intensa, alguns saiam curados, outros não.
Maria sabia que a vida da filha não iria durar muito, já que a cada noite de sono, envelhecia um ano.
Neco queria evitar a perda da filha e foi procurar as sereias da enseada em busca de ajuda. Seres egoístas e perversos, as sereias riram sem parar do pescador e cantaram seus cantos sedutores. Quase que Neco fora enfeitiçado, mas conseguiu retornar a praia seguro.
O tempo foi passando. A menina, que agora chamavam de Helena, já virava uma senhora idosa. E, numa manhã fria de julho, Helena parou de respirar. Sua mãe, que mais parecia sua neta, e seu pai, a levaram para a praia. Cobriram o corpo dela com flores e choraram. Não demorou muito para um facho de luz surgir dos céus e atingi-los. Ela havia sumido.
Helena, virou estrela novamente.
Maria e Neco voltaram para casa. Mal sabiam eles que Helena era apenas uma das estrelas que passariam pela vila. Outras estavam por vir.

sábado, 13 de julho de 2013

Histórias da Princesa



Histórias da Princesa
Por Milene Barazzetti
- Lilith, acorde!  – disse Princesa, colocando sua pata na cabeça da bichana.
- Agora! Agora mesmo! Tem certeza! Mamãe já dormiu?– respondeu a gata com os olhos extasiados olhando para a outra gata.
- Sem pressa Lilith! Sem pressa! Já te disse que você não precisa ficar tão animada como um cachorro.
- Que história vai ler hoje? –pergunta Lilith curiosa.
Princesa, como fazia todas as noites, quando Luíza dormia, pegava o seu livro predileto para ler. Depois ia para janela contar a história para os outros gatos. O livro era Alice no País das Maravilhas. Gostava da história principalmente por causa do Gato que aparece e desaparece. Queria na verdade ser como ele.
Enquanto Princesa lia, Lilith corria pelo apartamento e pegava outros livros para olhar as ilustrações. A gata preta tinha preferência pelos livros com ilustrações coloridas e vistosas.
Quando Luíza acordava, sempre encontrava um livro no sofá ou até pelo chão. Como estava sempre correndo, acreditava que ela mesma tinha esquecido por ali. Mas, ultimamente, começou a achar que suas gatas poderiam estar carregando os seus livros, como faziam com os brinquedos. Principalmente depois do que os vizinhos lhe contaram. E também por conta de alguns sonhos que havia tido ultimamente.
Os vizinhos vieram com uma baboseira de que a certa hora da noite juntavam-se em volta de seu apartamento uma porção de gatos, de todos os tipos. Ficavam parados todos debaixo da janela, olhando princesa que miava sem parar, numa espécie de sinfonia. Na verdade os vizinhos não estavam reclamando não, por mais incrível que pareça. O som era bonito de se ouvir, diziam eles.
- Lilith e Princesa o que vocês duas andam aprontando quando eu estou dormindo? – perguntou Letícia olhando e rindo para as duas, achando tudo aquilo uma piada.
Os dias foram passando e Letícia começou a ficar intrigada, pois continuava sempre encontrando o livro da “Alice” sobre o sofá e alguns outros pelo chão. Com certeza não era ela que fazia aquilo. Não era tão bagunceira. Em uma dessas noites, Luíza acabou adormecendo no sofá e sonhou com Lilith e Princesa.
- Letícia, vou te contar uma história – dizia Princesa no sonho. - Era uma vez uma menina que se chamava Alice. Ela acabou encontrando o País das Maravilhas porque foi atrás de um coelho que estava sempre atrasado. Tinha um gato neste lugar que desaparecia e aparecia onde queria. Eu queria ser assim. Para poder estar com você sempre.
- Não inventa moda Princesa. Conta a história direito. – interrompe Lilith. – Quero ouvir sobre o desaniversário.
- Nós também!! Miauuu! Miauuu!! – responderam os gatos que estavam lá fora na janela.
Neste momento Lilith pulou em Letícia que acordou com o susto.
- O quê? Lilith? Princesa? – Letícia
 então viu Princesa saindo da janela. A gata tinha acabado de pular também em seu colo.
Aí não conseguiu olhar pela janela. Teria visto gatos correndo para todos os lados.
Ficou pensativa. Será que dormiu e sonhou ou realmente sua gata andava contando histórias?